09 de Julho de 2014

Minecraft vendeu 16 milhões de cópias

Game de criação vendeu 2 milhões de unidades desde fevereiro. Em junho, game se tornou o 3º mais vendido de todos os tempos

A produtora Mojang, criadora de "Minecraft", anunciou que apenas para PCs e Macs, o game alcançou a marca de 16 milhões de cópias vendidas. Para estas duas plataformas, o jogo vendeu 2 milhões de cópias desde fevereiro, quando a empresa anunciou ter atingido 14 milhões de unidades vendidas do título que traz um mundo baseado em blocos em que o jogador pode construir o que quiser.

O anúncio das vendas foi feito pelo Twitter.

Em junho, a Mojang anunciou que o jogo, em todas as plataformas, o que inclui videogames como o Xbox 360 e o PlayStation 3 e dispositivos móveis com sistemas iOS e Android, vendeu 54 milhões de cópias, tornando-se o terceiro jogo mais vendido de todos os tempos. As versões para videogames também superaram em vendas as versões para PC.

"Minecraft" ainda receberá versões para Xbox One e PlayStation 4, consoles de nova geração, que serão lançados por US$ 20 em agosto. O portátil PS Vita, da Sony, também receberá o game no mesmo mês.

Sucesso de vendas
"Minecraft" é um fenômeno comercial desde suas versões de teste. Hoje disponível também para PlayStation 3, Xbox 360 e dispositivos móveis, o game permite que os jogadores construam praticamente qualquer coisa a partir de seu sistema de blocos e materiais. A liberdade é tanta que os fãs mais dedicados recriaram aeronaves, cidades e até o planeta Terra dentro do jogo.

O game do estilo "sandbox" (caixa de areia, em português), de mundo aberto -permitindo que o jogador possa tomar o caminho que quiser e tomar suas próprias decisões do que fazer - custa 20 euros (cerca de R$ 50) para PC (clique aqui para acessar o site oficial), US$ 7 (R$ 14) para iOS e Android e US$ 20 no Xbox 360. O jogo ainda tem opções para uma pessoa (single player) e para diversos jogadores on-line (multiplayer).

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora