04 de Maio de 2016

Lego Star Wars: 'O despertar da força' recria filme com irreverência

Novo game traz bom humor e mais formas de usar peças para construir. Jogo inspirado no Episódio VII de 'Star Wars' será lançado em 30 de junho

"Lego Star Wars: O despertar da força" é o game que vai recriar com blocos de montar as principais cenas do Episódio VII da saga espacial. E apesar de não reinventar a roda da série de jogos Lego, ele reencena com riqueza de detalhes o que aconteceu de melhor no último filme, além de acrescentar aquela camada de humor e irreverência típica do estúdio britânico TT Games.

Construindo um universo melhor
O primeiro game da série "Lego Star Wars", lançado há mais de 10 anos, é o responsável por povoar o mundo com kits de montar e jogos Lego baseados em filmes e universos variados da cultura pop. E quem já testou algum desses títulos sabe. Com um calendário anual de lançamentos, muito pouco mudou na série de lá para cá.

Curiosamente, a grande novidade de "Lego Star Wars: O despertar da força" é uma forma direta de tentar combater a repetição. A TT Games desmembrou a principal mecânica dos seus jogos, a de construir objetos a partir de um grupo de blocos, para dar mais opções aos jogadores.

Com as Multiconstruções, uma mesma montanhinha de peças pode ser usada para erguer mais de um item. Na fase no planeta de Jakku, por exemplo, você tem duas opções diferentes para destruir uma arma dos "Stormtroopers". Alguns desses conjuntos de blocos também funcionam como quebra-cabeças. Eles podem criar mais de um objeto, e o jogador precisa adivinhar a ordem correta para seguir adiante.

A ideia é que cada visita a uma mesma fase (e são várias caso você queira fazer 100% no jogo) não seja literalmente igual à anterior. Isso muda algo na prática? Não, porque você ainda precisa construir um objeto naquele mesmo lugar de sempre para avançar. Mas pelo menos rola uma variedade mínima.

Os novos heróis
Na demonstração testada pelo, também foram mostradas as habilidades de Rey, Finn e BB-8. A TT Games promete incluir todos os personagens de "O despertar da força" na edição final do jogo.

Em sua versão coletora de sucata, Rey é ágil e lembra os protagonistas da série "Assassin's Creed". Ela consegue andar pelas paredes para cruzar um buraco e deslizar por debaixo de obstáculos. Também pode usar seu bastão para lutar e alcançar áreas mais altas.

O robô BB-8 continua sendo bastante carismático no game com seus "beeps" e "bops" e o jeito divertido de correr. Ao segurar o botão de ataque, ele acelera pelos cenários com velocidade. Isso é ótimo para destruir vários obstáculos de uma só vez e coletar moedas com rapidez.

Já Finn é um pouco mais convencional. Ele golpeia com as mãos e usa sua arma para atingir de longe. Mas o desertor da Primeira Ordem também terá uma versão em que empunha o sabre de luz azul de Luke Skywalker.

Mas vamos falar a verdade? Não é por causa disso que você, ou eu, joga os games da série Lego. E nesse outro quesito a TT Games dificilmente erra.

O lado engraçadinho da Força

O filme "Star Wars: O despertar da força" é um dos mais bem-humorados da saga e tem espaço para piadinhas entre Han Solo e Chewbacca, Rey e Finn. No game não poderia ser diferente. E pelo que foi mostrado na demonstração, Kylo Ren será um dos mais zoados no novo "Lego Star Wars".

O jovem Sith é retratado como um "fanboy" completo de Darth Vader, ecoando várias das brincadeiras que surgiram na internet após a exibição do filme. A decoração do quarto de Kylo Ren é toda inspirada na imagem do avô e tem desde bonecos do grande vilão a um lençol estampado com o capacete negro do velho Anakin. Bem engraçado.

Mas "Lego Star Wars: O despertar da força" não é só bom humor. O game reproduz com fidelidade os principais momentos do filme. A fuga com a nave Millenium Falcon pelo cemitério de naves de Jakku, por exemplo, imita até os ângulos de câmera da produção dirigida por J. J. Abrams.

O jogo também traz uma escala de cenários e de detalhes que é bem interessante, além de mostrar um cuidado a mais na iluminação e na animação dos personagens. BB-8 é um bom exemplo, já que o robôzinho de Poe Dameron se movimenta exatamente igual ao filme.

Com suas peças construo meu castelo
O próximo jogo Lego deveria ser baseado no filme "História sem fim", de 1984. Lembra dele? Seria mais honesto comigo. Porque eu sempre digo que não aguento mais jogar esses games, mas basta ver grandes universos da cultura pop transformados em Lego para a teoria se desmoronar.

Começou com o primeiro "Lego Star Wars" há mais de 10 anos, em 2005. Depois teve "Lego Indiana Jones", "Lego Batman", "Lego Marvel Super Heroes" e até "Lego Rock Band e "The Lego Movie Videogame" (!!!).

Foram dezenas de jogos lançados, centenas de horas gastas, e poucas mudanças. Mas a TT Games sempre consegue inserir um detalhe, ou fazer uma gracinha, que acaba tornando a jornada bem prazerosa.

É o que parece que vai acontecer de novo com "Lego Star Wars: O despertar da força". Tudo está mais ou menos do mesmo jeito. Mas é difiícil não querer dar uma olhadinha, seja você um fã da jogatina pai e filho, do universo "Star Wars" ou um caçador de conquistas que busca sempre os 100%.

G1

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora