31 de Agosto de 2015

Em cartaz: A corrente do mal

Filme está em exibição no Buriti Shopping Rio Verde

Não é só na trilha sonora "vintage" com sintetizadores que Corrente do Mal (It Follows, 2014) evoca o cinema de John Carpenter. Trabalhar o filme de terror como canal de expressão de um certo mal-estar social, ideia presente nos melhores trabalhos do mestre, como Assalto à 13a. DP, é a intenção de David Robert Mitchell com este seu terror indie.

Jay (Maika Monroe), de 19 anos, vive com sua irmã e seus amigos a típica rotina de subúrbio americano, protegida e uniforme. Eles assistem a filmes B antigos na TV (o terror de ficção científica dos anos 40 também servia para refletir pavores sociais) e no cinema como se isso fosse normal hoje em dia entre os jovens - é a primeira pista de que há algo fora do lugar na realidade proposta por Corrente do Mal.

O terreno está preparado, pois, para a situação fantástica que vem a seguir. Jay transa com o garoto com quem está saindo, Hugh, e descobre que caiu numa cilada: Hugh transmitiu a Jay uma maldição; a menina será perseguida por uma entidade homicida, que adquire a forma de pessoas variadas, e será morta por essa criatura se não transar com outra pessoa e passar o mal adiante.

Imediatamente essa premissa de slasher movie parece servir de metáfora para o fim da virgindade durante a escola - é como uma mácula, afinal, que as jovens carregam esse peso, como se todos ao seu redor soubessem que ela transou e a julgassem por isso. Aos poucos, porém, Mitchell dá a esse conto de fim-da-inocência um caráter mais social.

O fato de a trama começar no subúrbio de Detroit e aos poucos passar pela cidade é fundamental para entender onde o filme quer chegar. Cidade-símbolo do american way, da prosperidade no Pós-Guerra, quando a chamada Motor City era uma das cidades mais ricas do mundo por conta da indústria automobilística, Detroit hoje é uma paisagem desolada pela crise econômica; a população atual de 700 mil pessoas representa 40% do total medido em 1950.

Detroit enquanto cidade-túmulo - é assim que Corrente do Mal lida com seu cenário, um lugar onde a protagonista Jay enxerga fantasmas por todos os lados, suspeitando, como numa versão modernizada de Vampiros de Almas (Don Siegel é a segunda principal influência aqui depois de Carpenter), de todas as pessoas que caminham em sua direção. Que a transa com Hugh tenha acontecido dentro de um carro em Detroit e que as personagen reconheçam desconhecer a cidade (na cena em que elas falam da 8 Mile Road, antiga divisão entre bairros ricos e pobres) só deixa mais claro de que tipo de fim-da-inocência Mitchell está tratando aqui.

Embora Corrente do Mal incorra em clichês fáceis de filme indie - a fotografia banhada de luz para demarcar o sonho americano de subúrbio, os travelings laterais e os zooms tentando gerar angústia, gravidade - e não consigo sustentar por muito tempo seu suspense sem cair no humor involuntário, o filme consegue identificar bem esse mal que assola os EUA pós-crise: o mal da nostalgia enquanto condição social.

O filme está em exibição no Buriti Shopping Rio Verde. Para conferir os horários, acesse http://www.cineflix.com.br/programacao/buriti-shopping-rio-verde/ .. Clicando no ícone “Vídeos”, você assiste ao trailer do longa.

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora