17 de Abril de 2015

Brincadeiras antigas

O jornalista Fábio Trancolin conta um pouco da história de Rio Verde em crônicas

Outrora, não tínhamos tantos brinquedos e, as crianças inventavam, usavam a criatividade. As brincadeiras antigas para crianças mais famosas eram: Amarelinha, bolinha de gude, cantigas de roda, esconde-esconde, roda pião, pipae muitas outras… Tudo isso fazia parte do cotidiano da criançada e, assim elas se divertiam por horas e dias. Hoje em dia, falam-se muito que as crianças, não brincam mais como antigamente, as brincadeiras foram sendo substituídas por videogames, computadores e celulares. Mas o que tem de tão especial tem nas brincadeiras do passado? O que merece ser resgatado deste tempo? Será que é possível adaptarmos as brincadeiras de antigamente, aos dias de hoje?

Há um passado no meu presente. Um sol bem quente, lá no meu quintal. Bola de meia, bola de gude...  A satisfação de empurrar um pneu descalço, sem camisa, lá ia ladeira abaixo, dando uns “tapas” nele e, com a boca imitando o som de caminhão... Um toco, uma latinha de sardinha e o “trator de esteira” pronto, era um brinquedo. Carretel, vela, palito de picolé e elástico outro “tratorzinho” deslizava no vai e vem.  

No mundo virtual, conectado e globalizado da internet. No toque nos celulares e tablets, o mundo em suas mãos. As crianças nascem quase que conectadas, antes de falar ou andar, o dedinho desliza na tela do celular.  Pesquisas apontam que elas estão cada vez mais conectadas, estudos mostram que as crianças e os adolescentes que nasceram após os anos 90, 90% têm celular, isso quer dizer que de cada 10 adolescentes nove tem celular. Nos recreios das escolas, estão todos conectados, correr nem pensar, geração de cabeça baixa, ou “geração cansada...”

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora