23 de Janeiro de 2017

Mercado imobiliário avalia: o pior já passou?

O mercado imobiliário inicia 2017 com fôlego renovado e sentimento de que o pior já tenha passado em relação à crise econômica

O mercado imobiliário inicia 2017 com fôlego renovado e sentimento de que o pior já tenha passado em relação à crise econômica. Mesmo com os desafios que o atual cenário econômico do Brasil ainda irá impor neste primeiro semestre de 2017, executivos do setor acreditam em retomada, especialmente a partir do segundo semestre.

Um desses alimentos foi a sinalização do Banco Central de promover uma queda, mesmo que tímida, na taxa básica de juros no final do ano passado. Depois de quatro anos de sucessivas altas, a instituição já começou a baixar a taxa de juros em outubro, de 14,5% para 14,25%, além de anunciar uma possível redução gradual em 2017 Em 2013, a taxa de juros era de 7,5% ao ano.

Goiás vem conseguindo manter uma certa blindagem em relação a outros estados brasileiros. A cidade permanece como o segundo metro quadrado mais baratos identificados pelo Índice Fipezap, que pesquisa as 25 cidades do brasileiras, o que a mantém sua atratividade para investidores. Mas não é somente isso. As incorporadoras diminuíram o volume de lançamentos nos dois últimos anos para se dedicar à venda dos estoques, promovendo uma autorregulação. De acordo com os especialistas, o desempenho da agropecuária também refletiu no mercado imobiliário, assim como as oportunidades no interior do estado.

Para o especialista em mercado imobiliário, Ricardo Teixeira, diretor da URBS RT Lançamentos Imobiliários, na Grande Goiânia as premissas que sustentam o setor continuam as mesmas: uma demanda muito grande e uma região que cresce e se desenvolve acima da média nacional.

“O cenário está melhorando e as oportunidades existem com ou sem crise. Porém, a maior cautela nos investimentos ainda deverá prevalecer ”, avalia o especialista, cuja empresa comercializa empreendimentos das principais e maiores construtoras e incorporadoras de Goiás.

Outro ponto convergente na opinião de Ricardo e outros especialistas do setor é o potencial de outras regiões do estado. O desenvolvimento econômico e social de cidades como Aparecida de Goiânia, Senador Canedo, Jataí, Catalão e Rio Verde, fazem desses municípios com grande atratividade para receber empreendimentos de vários tipos e padrões econômicos, do loteamento aos apartamentos; dos imóveis para o Minha Casa Minha Vida aos apartamentos de luxo.

A Brasal é um dos maiores grupos empresariais da região Centro-Oeste do Brasil e tem forte atuação em Brasília, Goiás e Minas Gerais nos segmentos de incorporação e construção. Para o diretor da Brasal Incorporações em Goiânia, Thiago Galvão, o setor deve reagir a partir do final de 2017 para 2018. Com atuação em tantas regiões e tendo um panorama maior dos demais mercados, ele avalia que Goiás é uma praça interessante para empresas do setor. “Goiânia possui alta demanda de público. Percebemos que o interior do estado tem uma forma de ligação com a capital, pois há muitas pessoas que mandam seus filhos para Goiânia em busca de estudo qualificado ou até mesmo pessoas que casam e querem morar na capital”, explica.

O executivo avalia que a tendência do mercado para 2017 em Goiás é voltar suas atenções para os imóveis para a classe média com unidades mais compactas, entre 125 a 130m². “Acho que o mercado irá apostar em empreendimentos para moradia. A Brasal Incorporações deve lançar ainda neste ano um alto padrão compacto, que trará um custo benefício interessante para quem busca imóveis”, explica.

Na largada
Em fevereiro, a GPL Incorporadora já prepara um novo lançamento. A empresa encerrou 2016 celebrando o bom resultado das vendas do Parque Arquitetônico Privativo, um complexo de arquitetura formado por três torres de alto padrão que estão sendo construídas no Setor Marista, em Goiânia.
“Mesmo sabendo da qualidade e do diferencial do nosso produto, fomos bastante cautelosos em relação às metas para o lançamento das duas torres do Parque Arquitetônico e, para a nossa grata surpresa, fomos muito além das vendas propostas. Conseguimos fechar o ano com 54% das unidades vendidas em pouco mais de um mês de lançamento oficial. É um recorde para o setor, principalmente considerando o cenário econômico do país, que ainda sofre com uma recessão”, salienta o diretor executivo da GPL, Ricardo Reis. O empreendimento lançado em novembro também tem a participação da Terral Incorporadora e Town Desenvolvimento Imobiliário.

O número evidência que mercado imobiliário de alto padrão em Goiás sofreu pouco com a crise econômica. O estado - que na última década percebeu um crescimento de 115% no número de milionários, pessoas com renda superior a US$ 1 milhão, segundo dados da Receita Federal - possui a capital com uma das maiores concentrações de riqueza do país e o imóveis com metro quadrado de valor atrativo tem atraído investidores.

Uma das empresas a apostar no mercado imobiliário da região metropolitana foi a CINQ Desenvolvimento Imobiliário, que chegou ao mercado em 2013, ou seja, após o período de boom imobiliário, dando demonstração evidente de que, apesar da conjuntura econômica desafiadora, a vida continua e, junto com ela, as necessidades de moradia.

De olho nas necessidades de segurança e na paixão do goiano por viver em casa, a empresa lançou em 2016 seu primeiro grande projeto, um condomínio horizontal na região do Garavelo, uma das mais desenvolvidas de Aparecida de Goiânia, onde inexiste essa opção. “Entendemos que toda essa conjuntura econômica trouxe, sim, dificuldades, mas também um cenário de oportunidades”, revela Eduardo Oliveira, um dos diretores da empresa. Para 2017, a empresa já tem programado o lançamento de outros dois grandes projetos na cidade, que vem passando por grandes avanços sociais e urbanísticos.

Econômicos
A MRV Engenharia também tem projetos fora da capital, mas para o segmento econômico. A meta para 2017 em Goiás é ambiciosa: A empresa espera lançar 7,8 mil unidades enquadradas ao programa habitacional do governo, o Minha Casa Minha Vida na região metropolitana – até o momento e onde está a maior demanda pela casa própria.

“Dentro dessa linha de imóveis econômicos queremos focar nessa faixa de renda familiar que varia entre um salário entre R$1.600 e R$ 6.500, isso pelo Programa Minha Casa Minha Vida”. A empresa já prepara o lançamento do empreendimento Granavona, que tem lançamento previsto para fevereiro, na região do Moinho dos Ventos, em Goiânia.

Segundo semestre
A Dinâmica Engenharia planeja dois lançamentos em 2017, a depender dos rumos da economia. O diretor comercial da empresa, Mário Valois,considera que o grande desafio dos empresários é trabalhar com resiliência. “É o que estamos fazendo desde o ano passado”, diz.

Ele lembra que a empresa tem 33 anos de história e já acompanhou diversas crises - congelamento de preços, bloqueio das poupanças, falta de financiamento, inflação galopante nos anos 1980 e 1990 - e sobreviveu a tudo isso. “O desafio é viver na adversidade. Quem aprende a passar por isso mantém-se no mercado”. A empresa diminuiu o volume de lançamentos e aguarda alguns desfechos da economia para anunciar as novidades para este ano.

Para o incorporador Rogério Queiroz Silveira, mesmo em Goiás, que sofreu menos com os efeitos da crise graças ao agronegócio, as iniciativas das empresas do setor foram mais conscientes em 2016, com lançamentos mais pontuais. “Já notamos uma reação no varejo e em outros setores produtivos que deve se desdobrar para o mercado imobiliário posteriormente”, diz o executivo. Para ele, a reação deve acontecer no segundo semestre, quando a Queiroz Silveira planeja o lançamento de um empreendimento próximo ao Shopping Bouganville, no Setor Marista. A empresa possui 20 anos de história e possui atuação em imóveis residenciais, comerciais e shopping centers.

De acordo com o gerente comercial da Consciente Construtora e Incorporadora, Rafael Rabelo, a empresa enxerga o cenário com bons olhos. “Estamos otimistas, visto que, mesmo a passos lentos, a economia está melhorando. Para lançar no atual mercado, é preciso ter responsabilidade e realizar diversos estudos de mercado para que o produto atenda às necessidades da região em que for instalado. Nesse sentido, preparamos um lançamento para o primeiro semestre de 2017, mantendo os diferenciais de qualidade construtiva, sustentabilidade e entrega no prazo. Em 2016, a empresa lançou o Planet Consciente Garden, no Setor Marista, cujas vendas atingiram as metas estipuladas.

Compartilhe / Comente

Notícias Relacionadas

« Voltar

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados

Rio Verde Agora